10 destinos mineiros para participar da Semana Santa

A Semana Santa é uma das celebrações mais importantes do calendário católico. É quando cristãos relembram a Paixão, a Morte e a ressurreição de Jesus Cristo. Todo ano, numa demonstração de fé, mineiros e turistas vão às ruas e lotam igrejas para participar dos atos e rituais litúrgicos. Tais manifestações são um espetáculo cheio de simbolismo que aguçam todos os sentidos como os tapetes coloridos de serragem e flores, as procissões e encenações.

Preparamos uma lista das principais cidades históricas para quem quer conhecer o que Minas Gerais oferece de mais tradicional e emocionante durante a Semana Santa.

1. Ouro Preto

Das celebrações da Semana Santa em Ouro Preto, destaca-se a Procissão do Depósito, o Domingo de Ramos, a Procissão do Encontro, a Cerimônia do Lava-Pés e a Procissão do Enterro. Na madrugada do Sábado da Aleluia, ocorre com grande animação a confecção de tapetes de flores e serragem colorida nas ruas, além da decoração das janelas das residências. No Domingo de Páscoa, ocorre a Procissão da Ressurreição e a queima e malhação do Judas. Todas as cerimônias acontecem em praça pública.

2. Mariana

Em Mariana, a Procissão do Enterro e os atos litúrgicos e paralitúrgicos são executados com todo esplendor do século 18. Às quartas e sextas-feiras, durante a Quaresma, são realizadas vias sacras na Catedral da Sé e na igreja de São Francisco de Assis. O destaque fica para o Setenário das Dores, que começa no sábado antes do Domingo de Ramos e vai até a Sexta-feira Santa. São sete dias de oração às sete dores de Nossa Senhora. Entre as músicas cantadas nessa tradição, o solo soprano da canção “Inflamatus” emociona os fiéis.

3. São João del-Rei

Pelas ruas da cidade, as manifestações culturais da Quaresma e da Semana Santa ganham força com as lendas típicas. A mula-sem-cabeça e o lobisomem ganham vida, as casas abandonadas ficam mal-assombradas e não há quem ouse passar, à meia-noite, por uma encruzilhada. Há dois séculos, uma tradição cercada de mistério e mantida em raras cidades no Brasil acontece em São João del-Rei: a Encomendação das Almas, um cortejo que percorre igrejas e cemitérios durante a madrugada, rezando em preces e cânticos aos mortos.

4. Tiradentes

Em Tiradentes, os quadros vivos são apresentados durante a Via Sacra e nos demais rituais da Semana Santa. As cerimônias são abrilhantadas pela orquestra, coral e Banda Ramalho, que tocam composições sacras do século 17 e 19. Nesse destino, as celebrações começam nove dias antes do Domingo de Ramos, conhecido como Sábado dos Passos, no qual acontece a Procissão do Depósito desde 1727. Na noite do Domingo de Páscoa, ocorre a Queima do Judas e a leitura de seu testamento nos locais mais abertos da cidade.

5. Diamantina

A Semana Santa diamantinense conta com todas as cerimônias e rituais tradicionais do século 18. O diferencial fica para o Ofício de Trevas, que acontece na segunda, terça e quarta-feira. Na quinta, há a missa solene da Ceia do Senhor, transladação do Santíssimo Sacramento, Lava-pés e Sermão do Mandato. Na sexta, a Via Sacra é dramatizada, há o Sermão do Descendimento da Cruz e a Procissão do Enterro, que percorre as ruas do centro histórico. Destaque para a coreografia da Guarda Romana com mais de 100 figurantes.

6. Sabará

No Centro Histórico de Sabará, a celebração é organizada pelas paróquias com a colaboração da comunidade. Grupos artísticos, religiosos e culturais narram os últimos dias da vida de Jesus até sua ressurreição. Além dos ritos oficiais, também acontecem no município as práticas extra litúrgicas, como a atuação da banda da Sociedade Musical Santa Cecília, a abertura do Santo Sepulcro e a Via Sacra da Penitência.

7. Congonhas

Além dos rituais religiosos, destaca-se o belo teatro bíblico que acontece no adro da Basílica de Bom Jesus de Matosinhos junto aos famosos profetas de pedra-sabão do mestre Aleijadinho. A grande atração para essa época do ano fica por conta das Capelas dos Passos da Paixão e suas 66 estátuas de cedro, em tamanho natural, esculpidas por Aleijadinho. Erguidas ao longo da ladeira que leva ao Santuário, as capelas se dividem em: Passos da Santa Ceia, do Horto, da Prisão, da Flagelação e Coroação de Espinhos, Subida do Calvário e da Crucificação.

8. Serro

No Domingo de Ramos, os moradores e visitantes se concentram na praça João Pinheiro para o início das cerimônias e rituais religiosos. No decorrer da semana, acontecem as celebrações Eucarísticas, Procissão de Encontro, Lava-Pés e Via Sacra pelas ruas da cidade, organizada pelo Grupo de Teatro Marte há mais de 30 anos. Durante todo o dia, ocorre adoração ao Santíssimo na Igreja Matriz. No Domingo de Páscoa, as ruas e janelas do Serro são decoradas pela população para a Procissão da Ressurreição passar.

Celebração durante o Domingo de Ramos

9. Baependi

O turismo religioso faz de Baependi um importante destino. Devido ao Santuário da Serva de Deus – Nhá Chica, centenas de devotos aproveitam as celebrações da Semana Santa para visitar a cidade. Com uma programação extensa, esse destino mineiro promove ritos de fé e devoção. Toda a programação da Semana Santa de Baependi leva um grande número de pessoas às ruas, igrejas e catedrais baependianas, o que demonstra a devoção do povo da terra de Nhá Chica.

10. Oliveira

A Semana Santa de Oliveira oferece aos fiéis uma belíssima liturgia oficial da Igreja Católica, seja para as celebrações das missas do Domingo de Ramos ou dos ritos da Paixão do Senhor. Para as celebrações e procissões paralitúrgicas, um material específico também é preparado. Assim, acontece o Setenário das Dores e as procissões do Depósito, do Encontro, das Dores, do Sepultamento do Senhor e do Triunfo de Nossa Senhora, com seus motetos próprios.

Saiba mais!

Atos litúrgicos: ritos que acontecem nas cerimônias religiosas; culto público e oficial instituído por uma igreja.

Atos paralitúrgicos: oração da comunidade reunida para se motivar melhor para alguma festa ou algum acontecimento. É formada de orações, leituras bíblicas e exortações à comunidade.

Moteto: composição polifônica, de caráter religioso ou profano, a várias vozes (a capela ou com acompanhamento instrumental), e cada uma com ritmos e textos próprios, que canta repetidamente algumas palavras ou versos.