6 Dicas Para Gestão Financeira Pessoal

A frase “não está fácil pra ninguém” nunca fez tanto sentido em nossas vidas. A gestão financeira pessoal está bem ausente na população brasileira. Principalmente quando falamos sobre vida financeira. De acordo com o Serasa, mais de 70% das pessoas brasileiras estão inadimplentes. A porcentagem em si já é assustadora, mas quando convertidos em quantidade de pessoas, é ainda mais estarrecedora: são mais de 100 milhões de endividados. 

Um ponto importante para frisarmos é que esse número poderia ser menor a partir de novas práticas e preocupações para com o nosso dinheiro, e é justamente isso que vamos abordar a seguir, confira:  

Controle seus gastos através de planilhas 

Neste caso, vale o básico: controle o seu dinheiro. Apesar de você não ser expert em finanças e muito menos em Excel, pode usar o Word ou um caderno, quadro, post-it, até mesmo aplicativos gratuitos para gestão financeira pessoa, enfim, o que te deixar mais confortável. O importante é monitorar suas contas e até mesmo o que deseja comprar, planejando quanto deverá guardar, gastar etc.  

Essa organização auxilia a visualizar a quantidade real do seu dinheiro, os custos e para onde ele está indo. Dessa forma, você consegue entender seus limites e assim fazer um uso mais consciente.  

Atenção com o Cartão de Crédito  

Precisamos entender para que o cartão de crédito foi criado:  para parcelar compras de valor maior e ganhar tempo até ter o dinheiro necessário para quitar ou pagar parte do valor de algum produto de grande valor aquisitivo. 

Como não entendemos essa razão, usamos o cartão “a torto e à direta” e assim transformamos uma “solução” em um super problema, um criador de dívidas e mais dívidas. Além disso, os juros dos cartões são altos e isso só faz complicar mais o processo.  
 
Utilize o cartão de crédito apenas para compras planejadas e de valores que você não poderá pagar à vista, até com certo desconto. Ele não é dinheiro disponível a você, mas sim um “mini-empréstimo” que pode te dar muita dor de cabeça.  

Não gaste mais do que ganhe  

Parece uma dica boba, né? No entanto, tendo em vista o número de pessoas inadimplentes por conta de cartões de crédito (81,8%), conseguimos entender que a dívida vem por falta desse entendimento que só podemos gastar o que temos. O ideal mesmo seria gastar menos do que ganha para que possamos conseguir guardar uma boa quantia para situações inesperadas e investimentos.  

Transforme seus hábitos de consumo  

Como falamos, essa condição de endividamento poderia ter sido evitada com algumas mudanças de comportamento de consumo. Antes de comprar algo se faça três perguntas: eu quero? Eu preciso? Eu tenho dinheiro para gastar com isso? Caso 2 respostas sejam não, então não compre. 

Invista seu dinheiro 

Nos tópicos acima falamos muito sobre guardar dinheiro e investi-lo, e de fato essa prática pode mudar a sua vida financeira. Entenda que a poupança não é um bom investimento, foque em outras fontes como CDB, Fundo Imobiliário, Ações, Tesouro Direto, entre outros. Assim você trabalha para conseguir dinheiro, mas ele também trabalhará para render um pouco mais.  

Estude e pesquise sobre finanças  

A dica acima tem total relação com esta, pois para conseguir investir é necessário entender sobre gestão financeira, e para isso você precisa estudar e pesquisar sobre esse assunto. Existem muitos gurus sobre questões financeiras, mas se você quiser uma formação sólida, o Senac em Minas oferece um curso livre de Finanças Pessoais e um curso técnico em Finanças que vão te mostrar caminhos para controlar a sua vida financeira e também da sua empresa.   

Entenda que é possível cuidar melhor do seu dinheiro, e compreenda que essa ação é um ato de carinho e amor com quem mais importa na sua vida: você!  

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •