Aprenda a interpretar o rótulo dos alimentos

Para muitas pessoas, a interpretação das informações contidas nos rótulos de alimentos e bebidas parece desnecessária e complicada, mas a leitura desses elementos é fundamental para a identificação e fiscalização dos mais diversos itens do nosso cardápio. “O rótulo é a identidade do produto. É importante tanto para controlar os fabricantes como também para dar aos consumidores a oportunidade de escolher melhor suas refeições e cuidar da saúde”, explica Erika Raquel Ferreira, nutricionista e orientadora de cursos no Senac em Minas.

A especialista recomenda os seguintes passos para entender o significado dos elementos presentes nas embalagens:

  1. Observe o valor calórico (ou energético), baseado nas porções indicadas para o consumo de cada alimento.

  2. Fique atento à porcentagem de valor diário (%VD), que indica a quantidade de energia (caloria) e de nutrientes que o alimento apresenta em relação a uma dieta saudável.

  3. Verifique todos os itens, lembrando que eles aparecem sempre em ordem decrescente, ou seja, o primeiro nutriente da lista é o que está presente em maior quantidade no produto.

  4. Confira se a composição está de acordo com a dieta recomendada por seu nutricionista.

O que significa cada item dos rótulos?

Porção

Quantidade média recomendada para consumo para manter uma alimentação saudável.

Valor Energético

Energia produzida pelo nosso corpo derivada dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem nutricional, o valor energético é expresso em forma de quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ). Obs.: 1 kcal equivale a 4,2 kJ.

%VD

Sigla que resume Valores Diários, ou seja, as quantidades de nutrientes que as pessoas devem consumir para ter uma alimentação saudável. A dieta média recomendada para um adulto é de 2.000 quilocalorias (kcal).

Carboidratos

Fonte de energia para as células do corpo, principalmente do cérebro. São encontrados em maior quantidade em massas, arroz, açúcar, farinhas e doces em geral.

Proteínas

São componentes dos alimentos necessários para construção e manutenção dos nossos órgãos, tecidos e células. Estão presentes nas carnes, ovos, leites e derivados e nas leguminosas (feijões, soja e ervilha).

Gorduras Totais

É a soma de todas as gorduras encontradas no alimento, seja ela de origem animal ou vegetal. As gorduras são as principais fontes de energia do corpo e ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K.

Gorduras Saturadas

São as gorduras encontradas principalmente em produtos de origem animal, como carnes, queijos, leite integral e entre outros. A ingestão em excesso desse tipo de gordura aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

Gorduras Trans ou Ácidos Graxos Trans

A Anvisa determina a quantidade mínima de 0,5 gramas para que o item entre na lista.  Presentes em alimentos como as margarinas, biscoitos, sorvetes e salgadinhos. Não é recomendável consumir mais que 2 gramas por dia.

Fibras Alimentares

Ajudam a controlar as taxas de glicemia e de colesterol, melhoram a função intestinal e ainda aumentam a saciedade. Presentes em alimentos de origem vegetal, como frutas, hortaliças, feijões e cereais integraisRecomenda-se a ingestão diária de 25 gramas, sempre combinando com o consumo de água.

Sódio

Está presente no sal de cozinha e em alimentos industrializados como molhos prontos e embutidos. A ingestão diária recomendada é de 2 gramas por dia ou até 5 gramas de sal.

Glúten

São os alimentos derivados dos cereais trigo, aveia, centeio e cevada. Pessoas com intolerância ao glúten podem ter mal estar e distúrbios intestinais.

Lactose

Açúcar encontrado no leite e derivados. É uma ótima fonte de cálcio, proteínas e outros nutrientes importantes para uma alimentação equilibrada. Os intolerantes a esse componente devem substituir os alimentos por outros produtos lácteos como, por exemplo, leite de soja ou de arroz.

Fonte: Anvisa

Algumas curiosidades

  • Outros cuidados. Além da lista de ingredientes, o rótulo deve sempre indicar quantidades, prazo de validade, informação nutricional, nome e endereço do fabricante, número do Serviço de Inspeção Federal (SIF), método de conservação, entre outros dados de segurança.

  • Além do açúcar… Um dos principais vilões dos alimentos industrializados, o açúcar pode aparecer camuflado na embalagem com nomes como glicose de milho, xarope de glicose, xarope de milho ou glicose.

  • Diet ou light? Para ser light ocorre a redução parcial do produto, a partir de 25%, em relação ao produto original. Já o produto diet precisa da suspensão total de um determinado ingrediente da composição original do alimento.

  • Fique de olho no sódio! O consumidor também tem que estar atento à quantidade de sódio presente na composição dos produtos. Deve ser consumido com moderação, uma vez que o consumo excessivo pode levar ao aumento da pressão arterial.

  • Atenção ao Glutomato monossódico. Usado para realçar o sabor dos alimentos, o elemento causa diminuição do paladar ao longo do tempo. Esse corante é um grande vilão na alimentação de crianças, pois aumenta o risco de desenvolver alergias e pode causar Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). É facilmente encontrado em salgadinhos tipo “chips”.

  • É lei! A rotulagem nutricional tornou-se obrigatória desde 2001 por resolução publicada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Aprenda esta e outra técnicas nos cursos do Senac. Confira as vagas abertas.

Posts Relacionados

Compartilhe:
  • 43
  •  
  •  
  •  
  •